Quem sou eu

Minha foto
...uma criatura magrela e um ser que deixa a desejar no quesito beleza; ao me ver tenho certeza que não darias nada por mim, mas ao levar um papo tenho certeza que pelo menos um dinheiro pro café,você vai dar !

terça-feira, 7 de junho de 2011

O Terceiro Quarto

Tinham uma casa linda,cheia de resquícios da estrutura colonial.
Tinham também um bonito sedan,carro de gente casada,pra caber as malas e,mais pra frente,as criancinhas bonitas,saudáveis e normais que pretendiam ter.Tinham até um quadro do Ubirajara na parede da ante-sala,que retratava uma paisagem muito linda e um lugar que não se vê mais.Era um campinho que no centro tinha um lago,cheio de patos n'água e pássaros voando pelo céu,totalmente abstrato no mundo moderno,sabe?
Na cozinha,todo o jogo de panelas e a louça que ganharam de presente no casamento.O banheiro tinha azulejos preto-metálicos,uma coisa brilhante,linda de se ver e muito difícil de limpar.
Na sala enorme,três sofás,uma cortina importada de tafetá,mesa de centro,de canto,de cartas,era muita mesa e a grande TV de plasma que,encerrava junto com a estante de madeira maciça a arrumação do lugar,tudo com a assinatura da mulher.Ele só cuidava do cachorro e do jardim.
A casa tinha no seu total,3 quartos.O primeiro quarto,em relação ao tamanho,ficava lá em cima,era o quarto do casal e ficava na segunda porta à direita depois da escadaria,tinha até banheiro dentro,já o segundo,ficava ao lado oposto deste e,como ainda não tinham as crianças bonitas,saudáveis e normais,este servia então como o quarto de hóspedes,o que não lhe tirava a beleza e o cuidado.Ela mandou pintar uma das paredes com tinta grená,as outras fez questão de deixar brancas para assim absorverem um pouco da cor mas não perderem a luminosidade do dia,o resultado foi bem legal.
Descendo a escadaria,linda escadaria com corrimão desenhado em madeira e com forma do couro de uma jibóia,via-se o terceiro quarto.Era um pouco escondido,abafado pela escadaria,sua porta nem se fazia notar por quem não fosse observador.A porta vivia sempre trancada,o lugar também não era atraente,foi deixado então pra guardar velharias e as coisas que não tinham sido ainda desempacotadas desde a mudança,era lá que estava também entre algumas caixas,um aspirador e um rádio velho,o filho retardado que nunca ousaram contar ou mostrar à ninguém.


Allan Bonfim.

12 comentários:

  1. eu pensei em harry potter até a parte do filho...
    Nossa que triste essa história, nunca imaginei encontrar isso por aqui
    =/

    @juhhouse

    ResponderExcluir
  2. Querida Juh,o espaço 'cabeludo tal qual a "JAC-MOTORS" é:
    I N E S P E R A D O !

    desculpe,não resisti,mas a vida não é feita só de romantismo e alegria,a vida é isso. (:

    ResponderExcluir
  3. e o pior: ninguém vê, ninguém ouve, ninguém liga. e o problema continua.

    ResponderExcluir
  4. UAU!
    raríssimas as descrições - somente as boas! - q me fazem deslocar-me daqui até o cenário retratado...
    me senti num filme 3d; tava percorrendo o casarão, qdo me impactei com o final!
    chave-de-ouro!

    dizes tanto do q escrevo - q nem acho grande coisa.
    já teus textos... =)
    tão boa essa admiração recíproca, né?

    beijão, querido!

    ResponderExcluir
  5. Querida Rafa,não há nada como essa admiração,ainda mais,sendo a recíproca tão VERDADEIRA,enfim,bela.

    abraço !

    ResponderExcluir
  6. Que ORGULHO eu sinto de poder conviver, nas esquinas das letras, com você, Allan.
    Que texto maravilhoso. Que texto maravilhoso. Que texto maravilhoso.
    um beijo

    ResponderExcluir
  7. Lembrei de um amigo, que tinha uma história bem parecida.. a mãe dele viva a esconder a irmã dele. Só saia com a garota para ir para a fisioterapia, falava da gravidez com raiva, e tinha repulsa por ter uma filha deficiente, era muito triste ver a menina sem tomar banho, a mãe sem paciencia ao dar de comer, e o irmão assistindo a tudo sem fazer nada.

    ResponderExcluir
  8. Querida Cy,tenho milhares de motivos (e versos) pra dizeres que o orgulho em poder conviver contigo é TODO meu,pois és o que és. (:

    Querida Luiza,me entristece ter que ler coisas assim,e saber que são verdade porque vejo à minha volta,seja na TV ou em jornais,acho que principalmente por isso,nasce este texto.

    abraço !

    ResponderExcluir
  9. Um retrato perfeito e detalhado da vida de aparencias. Já li um com sobre isso, de um baiano...mas esqueci o nome do conto e do autor (haha, ótimo rs). Beijo.

    ResponderExcluir
  10. UOL, me lembrou HP xD
    as vezes as pessoas tem certa necessidade de esconder aquilo que não querem que ninguém mais veja.
    gostei muito do texto.

    bjus =*

    ResponderExcluir
  11. Não é feita só de romantismo, mas é que ficar pensando nos dramas não ajuda ninguém a viver melhor...
    eu, por exemplo, só vivo transparecendo, pedindo e esperando pelo melhor... isso pra mim é vida. Saber que o problema existe e não pensar nele é uma opção!
    E essa situação não é tão comum assim, pra você dizer que a vida é isso...
    hehehe
    a vida não é isso não ein!?
    ;D

    ResponderExcluir
  12. Querida Juh,concordo com você,porém creio que entendeu equivocadamente minha colocação.Tudo que eu disse foi que não devemos ignorar as coisas ruins e pensar que assim,tudo vai ser melhor,pois não adianta,veja só o Brasil.
    Assim como você,eu também espero sempre pelo melhor,e como diz a Coca-Cola "há razões pra acreditar que os bons são maioria",enfim,isso não apaga a minoria má,a vida é isso. (:

    abraço !

    ResponderExcluir