Quem sou eu

Minha foto
...uma criatura magrela e um ser que deixa a desejar no quesito beleza; ao me ver tenho certeza que não darias nada por mim, mas ao levar um papo tenho certeza que pelo menos um dinheiro pro café,você vai dar !

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Ao Menino Brasil

Este escrito vai pra ti Menino Brasil,que já passou por tantas casas e casos
Vai pra ti que já foi tal sacaneado,e ainda é
Vai pra ti quando sorri,mesmo pouquinho,e pensa que é feliz
Vai pra ti sendo mal visto lá fora,rá
Vai pra ti Menino,que nem se importa

Vai pra ti e sua vasta cabeleira de norte à sul que já nem é tão vasta assim
Vai pra ti e seus lugares frios,seus medos e rios
Vai pra ti e sua fina pobreza

Vai pra ti e toda a chuva que molha a porção seca e te amacia
Vai pra ti que é espaçoso demais pra caber em um simples continente
Vai pra ti nos dias sangrentos e infelizes de toda a sua história
Vai pra ti,suas garrafas vazias e seus cigarros apagados
Vai pra ti e suas belas e belas mulheres

Vai pra ti e àqueles preconceitos não vencidos
Vai pra ti e sua populosa solidão

Vai pra ti e,principalmente,todos os personagens que abriga
Vai pra ti que é destruído pelo progresso
Vai pra ti que é mastigado pelo futuro
Vai pra ti e seus heróis e mocinhos
Vai pra ti e suas praças,e seus meninos
Vai pra ti,que é um menino

Vai pra ti que é velho e grande,mas um menino
Vai pra ti que nem sabe,nem nunca viu
Vai pra ti,Menino Brasil.

Allan Bonfim.

9 comentários:

  1. Olá,desculpem o desaparecimento,é tudo culpa da VIVO/SA que não produz modens de qualidade.
    Estou vivo e bem,apesar da gripe de 7 dias que me maltrata,ontem,o Flamengo jogou fora sua invencibilidade diante do Ceará,me deixou chateado,no mais,deixo um abraço.

    ResponderExcluir
  2. UOL, nem me fale em gripe :S to mals dela -q
    Mas quanto ao texto, ficou muito bom, adorei. Tem como não gostar dos seus textos? *-*

    bjus =*

    ResponderExcluir
  3. De novo, eu falei,falei e desabei, as palavras estateladas no chão, cairam na rede, viraram peixe e não chegaram a sua mesa.
    perdi o escrito, mas ficou o registro, de mim, após a leitura do teu texto.
    Que, se puder lembrar do que de mim ficou aí: o menino sacaneado, o pra-sempre menino grande demais, que não cabe em lugar nenhum, o menino que está mais dentro de si e fora de lugar nenhum, o menino-Pan, de Peter, de Serginho Groisman (de quem nem gosto tanto ou nada, mas que também é Peter), de Saramago (que também é Peter, que também é Pan), de mim e de você (calças curtas, ao relento, descabendo tudo, mas fazendo, mas sendo... ou sofrendo?)
    E tudo isso evocando por aquele que me fala, o que é seu, vós, sua voz, que me faz ter vontade de voltar a falar.
    Obrigada, Allan,
    Beijos,

    ResponderExcluir
  4. outro comentário:LINNNNNNNNNNNNNNNNDO texto. Arrebentou, quebrou geral.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. "Pátria amada" tão pouco valorizada, tão destruída, apesar das falsas palavras...

    ResponderExcluir
  6. uau!
    lindo o texto, meu flô!
    adorei os paradoxos!

    beijão
    que bom que voltou! =)

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto, ainda bem que estás de volta

    ResponderExcluir
  8. brasil, menino escravo que cansou de ser usado e tem a usura de crescer. belo texto, e não suma !

    ResponderExcluir