Quem sou eu

Minha foto
...uma criatura magrela e um ser que deixa a desejar no quesito beleza; ao me ver tenho certeza que não darias nada por mim, mas ao levar um papo tenho certeza que pelo menos um dinheiro pro café,você vai dar !

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Entre as ondas (fúria)

Sentava no meio de sua varanda,parava por um tempo e observava.Era a mesma varanda,a mesma casa e até a mesma paisagem,vizinhança,tudo,era tudo sempre igual,mas sua observação não era referente às pessoas ou à casa ou até sua própria varanda,observava o vento,o clima,via o céu.E só quando certificava-se que tudo corria bem,pegava o violão que junto trouxera pra varanda e começava a tocar,e como usava bem aquelas cordas,jogava nelas sentimentos profundos,e gradativamente envolvidas na sintonia com seus dedos,as vibrações lhe tomavam os braços,as pernas,e logo,todo o corpo tomado estava,tais vibrações não se continham fácil assim,então logo estavam espalhadas pela varanda,e por consequência tomavam a casa e faziam dançar os raios de sol que invadiam as cortinas.Além da casa,sentia tomar o ar,o som o movia e respectivamente movia as árvores,plantas menores e suas flores. Decidiu que poderia mostrar aquele jogo de som para o resto da gente.
Foi para a praça com sua máquina de vida e harmonia,o violão,estavam todos ali,e então ele começa.Como de costume observa e enfim,começa a dedilhar suavemente as cordas,as vibrações vinham e logo tomavam o corpo,tomavam os bancos da praça,a água do chafariz,árvores,flores...mas espere,elas nem parecem ouvir a melodia,sim,as pessoas passavam e ignoravam aquela manifestação harmônica e maravilhosa dos sons.Revoltado,ele agora castigava as cordas e o vento o acompanhava,levando flores ao chão,fazendo voar chapéis,mas mesmo assim,elas não notavam,e agora corriam,corriam,corriam para suas casas ou trabalho.
- Parece que vai cair um pé d'água,diz a senhora da barraca.


- Não percebem,são tão tolos,é só a fúria de um violão invocado,ele pensa.
Se retira da praça e para casa retorna,se diz insultado por toda a gente.No dia seguinte,à beira mar,lá está,já observou,já dedilhou,agora ele toca,finalmente toca,toca para a imensidão azul com tons de verde e sustenido,seu corpo vibra e leva a areia,as ondas fazem contrapartida ao seu som,mas com muita harmonia,respondem as notas com bruscas quebradas de cara na areia,cada vez mais fortes,como uivos,gritos e aplausos de uma platéia fiel,aquela que vai sempre estar lá,que tenta afogar o seu ídolo,mas não consegue.A maré aumenta,como se pudesse ou quisesse abraçar o cancioneiro,ele não recua,e ao contrário,adentra o mar,de pé,pé d'agua,de violão em punho ele agora se sente em casa,larga o violão que rapidamente é sequestrado para alto mar,e se perde no meio dos grandes aplausos,ele vai perdendo o contato com a superfície e fica maravilhado com o tom das ondas dentro d'água,a fúria que pensava ser do violão,era sua,era sua,e morre ali com ele na imensidão azul.

Allan bonfim.

3 comentários:

  1. adorei o texto Allan.
    gostei mesmo.
    bjinhus.............

    ResponderExcluir
  2. Oi Allan,
    vim conhecer seu espaço.
    ja estou te seguindo
    bjs

    ResponderExcluir
  3. isso me lembrou meu noivo tocando violão pra mim na varada da minha casa :)
    que deliciia ler esse texto, vc sente a melodia do violãao, sou fascinada pelo mar tbm, adorei qdo vc falou assim :ele vai perdendo o contato com a superfície e fica maravilhado com o tom das ondas dentro d'água.

    otiimo texto.
    boa noite pra vc, eh sempre bom te ter em meu bloG.
    beijos.

    ResponderExcluir